RIO VERMELHO
História
Festa de Iemanjá
Mapa do bairro
Galeria de Fotos
Pontos de ônibus
Shoppings
O portal
Publicidade
Arquivo
PLUGADO
Artigos
Bibliotecas
Cinema
Eventos culturais
Galerias de Arte
Festas / Baladas
Prêmios / Promoções
Teatro
SERVIÇOS
Academias / Esportes
Advogados
Agências de Turismo
Água / Depósitos
Aluguel de carros
Análise clínica
Animais/ Pet Shop
Antiguidades
Armários / Móveis
Armarinho
Arquitetos / Decoradores
Arte / Galerias
Artesanato
Assistência Técnica
Assessoria de Imprensa
Automóveis e peças
Auto­escolas
Bancos / Correios
Bares / Restaurantes
Beleza e Estética
Bijuterias
Bolsas / Calçados
Buffet / Eventos
Cartuchos / Recarga
Chaves / Carimbos
Clínicas / Médicos
Contabilidade
Copiadoras / Gráficas
Cosméticos / Perfumes
Costura e Reforma
Cursos / Pré-Vestibular
Design
Doces / Salgados
Dentistas
Esotéricos
Escolas
Farmácias
Flores / Plantas
Fotos / Revelação
Grades / Esquadrias
Hotéis / Pousadas
Imóveis / Corretores
Informática
Internet / Acesso
Jóias / Pedras
Lanches / Sorvetes
Lavanderia
Livraria / Papelaria
Locadora / Filmes
Lotéricas
Material / Construção
Material / Limpeza
Mercados
Moda / Acessórios
Molduras / Vidros
Motos / Bike
Música / CDs
Óticas
Oficinas / Borracharias
Padarias / Delicatessen
Persianas / Cortinas
Pizzarias
Presentes / Utilidades
Profissionais liberais
Profissionais / Serviços
Táxi / Van
Telefonia / Celular
Terapias
Universidades
UTILIDADE PÚBLICA
Hospitais / Emergência
Consulados
Links úteis
Telefones úteis
Vendas na internet cresceram 42% no Brasil, em 2004.

 

LENDA DE IEMANJÁ

fotos: Mery Bahia - altar da Casa de Iemanjá, Rio Vermelho

Conta a tradição dos povos iorubás (atual Nigéria), que Iemanjá era a filha de Olokum, deus do mar. Em Ifé, tornou-se a esposa de Olofin-Odudua, com o qual teve dez filhos, todos orixás. De tanto amamentar seus filhos, os seios de Iemanjá tornaram-se imensos.

Cansada da sua estadia em Ifé, Iemanjá fugiu na direção do “entardecer-da-terra”, como os iorubas designam o Oeste, chegando a Abeokutá. Iemanjá continuava muito bonita. Okerê propôs-lhe casamento. Ela aceitou com a condição que ele jamais ridicularizasse a imensidão dos seus seios.

Um dia, Okerê voltou para casa bêbado. Tropeçou em Iemanjá, que lhe chamou de bêbado imprestável. Okerê então gritou: "Você, com esses peitos compridos e balançantes!"

Ofendida, Iemanjá fugiu. Okerê colocou seus guerreiros em perseguição e Iemanjá, vendo-se cercada, lembrou que tinha recebido de Olokum uma garrafa, com a recomendação que só abrisse em caso de necessidade. Iemanjá tropeçou e esta quebrou-se, nascendo um rio de águas tumultuadas, que levaram Iemanjá em direção ao oceano, residência de Olokum.

Okerê, tentou impedir a fuga de sua mulher e se transformou numa colina. Iemanjá, vendo bloqueado seu caminho, chamou Xangô, o mais poderoso dos seus filhos, que lançou um raio sobre a colina Okerê, que abriu-se em duas, dando passagem para Iemanjá, que foi para o mar, ao encontro de Olokum.

Iemanjá usa roupas cobertas de pérola, tem filhos no mundo inteiro e está em todo lugar chega o mar. Seus filhos fazem oferendas para acalmá-la e agradá-la.

Iemanjá, Odô Ijá (rainha das águas), nunca mais voltou para a terra. Ainda existe, na Nigéria, uma colina dividida em duas, de nome Okerê, que dá passagem ao rio Ogun, que corre para o oceano.

Festa de Iemanjá
Home

 

Melhor visualizado em 800X600 - Copyright 2004 / 2005 - X-Com - Todos os direitos reservados. Reprodução de conteúdo somente com autorização por escrito. tel: (71) 248-6216. e-mail: contato@portalriovermelho.com.br